CREME DENTAL COM TRICLOSAN. VOCÊ VAI ARRISCAR?

colgate-total-12-triclosan
 
Podendo estar associado ao crescimento de células cancerígenas, a alterações na função hormonal; a danos no fígado e nos rins; ao crescimento de bactérias resistentes aos antibióticos, impacto ao meio ambiente, e a outros fatores prejudiciais, O TRICLOSAN, utilizado no creme dental COLGATE TOTAL 12 e em grande parte dos demais produtos de higiene pessoal, vem gerando pesquisas e discussões científicas sobre os seus efeitos na natureza e no organismo humano.
 
 
1. O SURGIMENTO DO TRICLOSAN NO MERCADO MUNDIAL

No final da década de 1930 e início da década de 1940, descobriu-se que a substituição em anéis aromáticos de átomos de hidrogênio por cloro fazia surgir uma substância de ação letal contra organismos vivos ou #microrganismos, conhecida como Biocida.

Imediatamente, essa substância passou a ser utilizada em larga escala nos produtos de higiene pessoal.

No entanto, em poucos anos, cientistas constataram que muitos desses compostos e formulações com biocida apresentaram efeitos adversos, incluindo toxicidade humana, ecotoxicidade e persistência ambiental indesejada e bioacumulação, o que levou a proibições regulatórias e reduções graduais da substância no mercado. 

Já em 1957 foi introduzido no comércio o Triclosan, substância antimicrobiana que apresenta composição química similar (isto é, dois anéis de benzeno transportando múltiplos cloro) à da substância proibida anteriormente.

A partir daí, o uso do triclosan e o surgimento de produtos antimicrobianos aumentaram nas últimas décadas, impulsionados por propagandas agressivas, causando temores na população com a divulgação da existência de #infecções microbianas potentes e às vezes letais adquiridas na vida cotidiana por vítimas inocentes, e a apresentação de produto #antimicrobiano, desenvolvido para combater os organismos vivos, proliferadores de doenças.

Com essa estratégia, esse mercado multibilionário saturou os supermercados em todo o mundo e acelerou enormemente o consumo de produtos #antimicrobianos. 

Não existia qualquer fiscalização governamental e nem estudo científico avançado sobre os efeitos do triclosan na natureza e nem no corpo humano.Como resultado, o #triclosan passou a ser utilizado em sabonetes, #cosméticos, roupas, carpetes, tintas, plásticos, brinquedos, material escolar, creme dental e até em chupetas.

 
 2. O ALERTA DA COMUNIDADE CIENTÍFICA
 

Com o passar dos anos, centros de pesquisa científica conseguiram identificar sinais inconfundíveis da substância química Triclosan ocasionando danos ao meio ambiente e possivelmente à população humana, o que fez crescer, inicialmente, a fiscalização de agências nos EUA, Canadá e União Europeia, como a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) e a Food and Drug Administration (FDA).

Essa notícia foi o estopim para o surgimento de pesquisas ao redor do mundo sobre os efeitos do triclosan na #natureza e no corpo humano. 

Em 2016 um estudo da Universidade da Califórnia, em San Diego, relatou que o triclosan pode contribuir para a resistência a #antibióticos e interromper hormônios e imunidade.

Ele também tem sido associado a tumores em camundongos. É claro, que as descobertas em roedores não se aplicam necessariamente às pessoas, mas, segundo Michael Hansen, Ph.D., cientista sênior da Consumer Reports, “Alguns estudos mostram efeitos adversos em camundongos em dosagens consistentes com os atuais níveis humanos de exposição”. 

Para Marvin M. Lipman, MD, consultor médico chefe da Consumer Reports, “há preocupação suficiente agora com o uso do triclosan, o que faz sentido evitá-lo por conta própria, mesmo que haja algum valor demonstrável na redução da placa bacteriana e gengivite.”

Em 20/07/2017, a cientista Dra. Michelle Dicksinson se manifestou em seu Twitter sobre o assunto:

 

Tradução:

“Alguns estudos em animais, de curta duração, mostraram que a exposição a altas doses de Triclosan está associada a uma diminuição nos níveis de alguns #hormônios da tireoide. Mas não sabemos o significado dessas descobertas para a saúde humana. Outros estudos levantaram a possibilidade de que a exposição ao triclosan contribua para tornar as bactérias resistentes aos antibióticos. Neste momento, não temos informações suficientes para avaliar o nível de risco que o triclosan representa para o desenvolvimento de resistência a antibióticos. Existem outros estudos em andamento investigando o potencial de desenvolver #câncer de pele após uma exposição prolongada ao triclosan em animais. Outro é um estudo sobre o potencial colapso do triclosan a outras substâncias químicas na pele humana após a exposição do triclosan aos raios ultravioleta (UV). No momento nenhum dos estudos (…)

Na Nova Zelândia as autoridades e a população estão muito conscientes sobre os prováveis riscos do triclosanA #substância antibacteriana encontrada no creme dental Colgate Total 12 não deve ser vendido no balcão na Nova Zelândia, afirma um químico ambiental. 

A professora sênior da Universidade de Canterbury, Sally Gaw, diz que não usa #produtos com o triclosan, que é encontrado no creme dental Colgate Total 12, lenços umedecidos, sabonetes, roupas esportivas e brinquedos.

Sabonete e gel #antibacterianos são inúteis e podem causar danos, alertaram 200 cientistas e médicos. A declaração de consenso, publicada na revista científica Environmental Health Perspectives, também adverte contra o uso de agentes antimicrobianos em recipientes de armazenamento de alimentos, tapetes de exercícios e tintas.

A professora de saúde ambiental da Universidade de São Francisco, Barbara Sattler, disse: “As pessoas pensam que os sabonetes #antimicrobianos oferecem melhor proteção contra doenças, mas, em geral, os #sabonetes antimicrobianos não funcionam melhor que a água e o sabonete comum”. 

Também em 2017, empresas britânicas como a poderosa Unilever já anunciavam a retirada gradativa do triclosan de seus produtos até o final de 2018, acrescentando que serão substituídos por “uma série de alternativas, incluindo ingredientes antibacterianos naturais e inspirados na natureza”.

 

Tradução:

Em 2015, paramos de fabricar produtos de #limpeza e cuidados com a pele com triclosan e até o final de 2017 pretendíamos parar de usar triclosan e triclocarban juntos. Nós alcançamos em grande parte esse objetivo. Nenhum dos nossos sabonetes, lavagens manuais ou líquidos de banho contém triclosan ou triclocarban e temos apenas alguns produtos restantes devido a remoção completa em 2018. Estamos substituindo triclosan e triclocarban por uma gama de alternativas, incluindo ingredientes antibacterianos naturais e de inspiração natural.

O uso de produtos de #higiene pessoal é uma fonte de exposição humana ao triclosan. Como essa substância age como um antibiótico, seu uso generalizado pode ser parte da razão pela qual as #bactérias comuns estão se tornando mais difíceis de tratar, diz Rolf Halden, PhD, diretor do Centro de Biodesign para Segurança Ambiental da Universidade Estadual do Arizona.

Allison Aiello, PhD, professora de epidemiologia na Escola Gillings de Saúde Pública Global da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, concorda. Ela também está preocupada que o triclosan esteja entrando na água e seja #tóxico para os animais aquáticos. 

3. A DECISÃO IRRESPONSÁVEL DA FDA

Em setembro de 2017 a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA proibiu a comercialização de sabonetes sólidos e líquidos com triclosan, deixando de fora da proibição o creme dental Colgate Total 12. De acordo com a FDA os fabricantes de sabonetes não provaram que eles são seguros para uso diário a longo prazo e mais eficazes do que água e sabão comum para controlar certas #infecções

Com relação ao creme dental Colgate Total 12 (a única linha de #CremeDental nos Estados Unidos que contém a substância) a FDA observa que o Triclosan na pasta de dente mostrou-se eficaz na redução da inflamação da #gengiva e da placa bacteriana. Com base nessas evidências científicas, a FDA considerou que o balanço de benefício e risco tem mostrado ser favorável para este produto.

Essa decisão da FDA deixou muitos pesquisadores perplexos e preocupados, como o Dr. Jianhua Guo, da University of Queensland (UQ): Para ele, um detalhe preocupante em torno do debate triclosan é a proibição da substância pela FDA em sabonetes antibacterianos para as mãos, deixando os consumidores induzidos a se perguntar por que ainda é considerado seguro para uso na cavidade oral. E com a resistência aos #antibióticos se tornando uma ameaça proeminente à #SaúdePública global, essa informação adicional é outro ataque contra a substância.  

Quando questionado sobre o potencial dano futuro ao #MeioAmbiente, Guo reconheceu o efeito cumulativo das concentrações de triclosan como a maior ameaça. “A baixa eficiência das [instalações de tratamento de águas residuais] para degradar o triclosan resulta em sua presença no recebimento de corpos de água e seu acúmulo em biossólidos e, portanto, sua liberação no meio ambiente. Com base em experimento de cultura pura, nossas descobertas indicam que os resíduos ambientais de triclosan podem facilitar a seleção de #bactérias resistentes a antibióticos através de mutação.” Guo alerta: “Esta descoberta fornece fortes evidências de que o triclosan encontrado em #ProdutosDeHigienePessoal, que usamos diariamente, está acelerando a disseminação da resistência aos antibióticos”.

Guo prosseguiu dizendo que mais investigações sobre os efeitos do triclosan e de outros produtos químicos são necessários para determinar os potenciais efeitos a longo prazo. 

“Eu gostaria de sugerir que as pessoas procurem produtos de cuidados pessoais livres de triclosan“, concluiu ele, acrescentando que “a resistência antimicrobiana é uma grande ameaça para os seres humanos. Todos nós precisamos lutar contra isso juntos como uma equipe”.

A resistência antimicrobiana tornou-se uma grande ameaça à saúde pública em todo o mundo, com aproximadamente 700.000 pessoas por ano morrendo de #infecções resistentes aos #antimicrobianos.

O relatório de Revisão de Resistência Antimicrobiana previu que isso atingirá 10 milhões de #mortes por ano até 2050 se nenhuma ação for tomada agora.

 4. O POSICIONAMENTO DA COLGATE-PALMOLIVE

Enquanto outras grandes marcas já renunciaram ao triclosan para atrair #consumidores, a empresa americana Colgate-Palmolive (marca líder de dentifrícios nos Estados Unidos), fabricante do creme dental Colgate Total 12, acabou sendo beneficiada pela decisão da agência americana Food and Drug Administration (FDA) de não proibir o uso de triclosan no creme dental Colgate Total 12. Agora, o produto possui o selo de aprovação da American Dental Association (ADA) e a aceitação da Food and Drug Administration (FDA) como segura e eficaz.
Quando perguntado sobre a decisão da FDA, um representante da Colgate-Palmolive disse: “Após uma revisão exaustiva, a FDA concluiu que o Colgate Total 12 oferece um benefício terapêutico significativo e é seguro para os consumidores. A aprovação do NDA da #colgate total 12 não mudou de forma alguma, e o uso do triclosan em 0,3% na pasta de dente foi revisado como seguro e eficaz por órgãos reguladores em todo o mundo.”
Pela vasta quantidade de informações publicadas em revistas especializadas, se verifica que ainda é muito cedo para se afirmar que o creme dental com triclosan é seguro para a saúde, quando pesquisas em andamento ao redor do mundo (sem um parecer, ainda, conclusivo), vem sinalizando que o Triclosan pode ser uma ameaça à saúde da população. São estes sinais, divulgados por renomados pesquisadores, que a população deve seguir. O ideal é evitar o uso de produtos com triclosan, como orientou o  Dr. Jianhua Guo, da University of Queensland (UQ).
Lembrando que o fato do creme dental #ColgateTotal12 conter 0,3% de triclosan na sua composição, não o torna menos ameaçador, já que o nosso uso é cumulativo: usado por diversas vezes no transcorrer do dia. Permitir a comercialização do respectivo produto no Brasil viola o inc. I do art. 6º do Código de Defesa do Consumidor (CDC): Art. 6º – São direitos básicos do consumidor:

I – a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos. (Gilbert Lorens – Advogado: OAB/BA. 14.396 – Especialista em Relações de Consumo)

NOTA EDITORIAL: O conteúdo editorial desta matéria não foi fornecido ou comissionado por qualquer empresa, assim como, não foram revisadas, aprovadas ou endossadas por elas, antes da publicação. As opiniões, análises, resenhas, declarações ou recomendações expressas neste artigo, são de responsabilidade exclusiva do autor.   

consumidor-radical

Deixe uma resposta